Plantão Saúde Cirurgia começa em abril; 8.656 pacientes serão contemplados, afirma secretária

0
Compartilhe

cirurgia-eletiva-620O Governo do Ceará quer diminuir o número de pacientes nas filas de esperas por cirurgias eletivas no Estado. E o desejo do governador Camilo Santana (PT) parece que vai, finalmente, sair do papel com o Plantão Saúde Cirurgia, programa estadual que propõe que empresas ou entidades sem fins lucrativos da iniciativa privada, que tenham interesse em se credenciar junto à Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), realizem intervenções cirúrgicas, com o objetivo de zerar a lista de espera por cirurgias no Estado.

Em entrevista à edição desta terça-feira, 13, do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 103.4 – Expresso Grande Fortaleza + 24 emissoras no Interior), a secretária-executiva da Sesa, Lilian Amorim Beltrão, contou que 8.656 pacientes do Estado, cadastrados na Central de Regulação do Sistema Único de Saúde do Ceará, serão beneficiados com o Plantão Saúde Cirurgia.

Segundo a secretária-executiva, o governador se sensibilizou com as filas de esperas e, por isso, pediu a Secretaria que verificasse quais procedimentos possuíam mais pessoas em filas de espera. Nessa avaliação, oito especialidades foram escolhidas para serem assistidas pelo programa. São elas: ortopedia, cardiologia, urologia, otorrinolaringologia, neurologia, que representam 97% das cirurgias demandadas, além das áreas de traumatologia, oftalmologia e da cirurgia bariátrica.

De acordo com Lilian Beltrão, um levantamento da Sesa apontou que 12.466 pacientes no Ceará aguardam cirurgias, muitas que ainda estão fora das contempladas pelo Plantão Saúde Cirurgia. Deste total, 8.656 pacientes foram selecionados para o primeiro edital, segundo a secretária-executiva, não por falta de recursos estaduais, mas pela falta de interesse de estabelecimentos privados em realizar os procedimentos.

Isso explica o fato de o governador Camilo Santana (PT), em entrevista ao Jornal Alerta Geral no dia 27 de fevereiro, ter afirmado que R$ 100 milhões estariam reservados ao programa e apenas R$ 56 milhões serem investidos em um primeiro momento. “Para esse primeiro momento, nós só conseguimos propostas para atender 8.656 pacientes”, pontua a secretária-executiva. Um novo edital será lançado em seguida, com o objetivo de atender os pacientes restantes das filas de espera.

Lilian destaca que o Plantão Saúde Cirurgia já deve começar com os procedimentos no mês de abril, com o objetivo de concluir os trabalhos da forma mais rápida possível. “Nossa expectativa é que em quatro a cinco meses a gente tenha essa fila concluída, embora o edital diga que vai valer por um ano”, ressalta.

Atendimento por Georreferenciamento

A secretária-executiva da Secretaria da Saúde do Estado, indagada se os pacientes teriam que vir fazer as cirurgias na capital cearense, destacou que isso “vai depender do número de prestadores de serviço que se credenciem para realizar esses procedimentos”.

“Pessoas que residem, por exemplo, na região de Iguatu vão ser deslocadas para Iguatu e não para Fortaleza, mas isso tudo vai depender do que a gente vai conseguir de estabelecimentos de saúde que façam adesão a esse nosso projeto”, acrescentou.

Lilian, contudo, afirmou que algumas regiões do Estado não apresentam estrutura nem prestadores de serviços suficientes para realizar cirurgias de maior complexidade. Segundo a Sesa, 30% dos 8.656 pacientes são residentes em Fortaleza e os demais estão nos municípios do Interior do Estado.

O que mais diz o Edital

A secretária-executiva ainda explicou aos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida que o edital do Plantão Saúde Cirurgia, lançado no dia de 5 março deste ano pelo governador Camilo Santana, é claro ao afirmar que o estabelecimento cadastrado é responsável pelo pré-operatório, avaliação do paciente, procedimento cirúrgico e avaliação pós-operatória.

Ciente disso, qualquer estabelecimento privado de saúde, que tenha interesse em realizar os procedimentos, pode se credenciar junto ao Ministério da Saúde. “Óbvio que para fazer um credenciamento de um estabelecimento para fazer uma neurocirurgia, por exemplo, a Sesa precisa saber se ele possui recursos humanos e equipamentos suficientes para fazer esse procedimento”, finaliza Lilian.

Confira abaixo a entrevista completa com a secretária-executiva da Secretaria da Saúde do Ceará, Lilian Amorim Beltrão, ao Jornal Alerta Geraldesta terça-feira:

LILIAN AMORIM BELTRÃO – SECRETÁRIA-EXECUTIVA DA SESA

Ceara Agora


DHomem

Deixe um comentário